segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Carta de um poeta para uma donzela do séc. XV

Isto é uma confissão, uma radiografia...aqui me tens, e se quiseres saber o que eu realmente sinto por ti só tens que chegar ao fim destas linhas (que não são poucas). Se não quiseres saber a solução é ainda mais simples:pára aqui e lixo com estas letras! Vou tentar pôr tudo da forma mais simples, sem preocupações técnicas ou linguísticas, o tempo para impressionar já lá vai, o objectivo é só o de apresentar o homem, sem máscaras, nu...
Graças (...) não poderás ver, nem sentir talvez, a minha mão a tremer, como treme a mão de um miúdo que apaixonado pela primeira vez não sabe o que fazer. Também eu não estou bem certo do que fazer, por isso estas linhas, na ilusão da bondade do poeta:"Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir".
O que sinto por ti é grande, muito maior do que gostaria, pelo menos neste momento...Não sei se é amor, nem sei se o amor se pode pôr em palavras, nem sei se há amor sem ser recíproco...mas sei que é bem forte...tão intenso...Não é simples atracção, e nada do que sinto exagero, quando muito minimizo (sempre o peso da razão!). Fui claramente ultrapassado pelo meus sentimentos. Se eu me colocaria voluntariamente nesta posição, gostar assim de ti sem saber o que tu sentes? A resposta nunca poderia ser positiva. Para além de tudo, não nos conhecemos assim há tanto tempo, nem tão bem...o que em vez de menorizar só agrava o meu drama interior. De onde me vem tudo isto então? Não sei de onde vem (nem para onde vai), mas sei o que se passa cá dentro quando estamos juntos e, sobretudo,sei o que se passa quando não estamos (e continuas presente). Não sei se quando estou contigo a minha felicidade é visível, mas sendo-o é infinitamente menor à que sinto. E se não estamos juntos o meu primeiro pensamento é: quando é que a vou voltar a encontrar no caminho. Penso em ti e quero estar contigo, e é mais forte que eu.
É verdade, o primeiro "impacto" contigo é sempre positivamente traumático: és muito mais do que o exteriorizas. O teu "invólucro" (que palavra, perdoa) fica muito aquém, e ainda assim é o que é! És diferente, linda e inteligente (combinação tão fatal)...agora já sei a resposta à pergunta que te coloquei algumas vezes: o que é tu fazes aos homens?, a resposta não podia ser mais simples:nada...existes...és especial e és única. Tens razões para não trocar esse sorriso (a tua alma, dizes...pelo menos espelho ou janela para a alma) por nada, quem trocaria um sorriso que talvez, só, tenha inspirado todos os poetas de todos os tempos! E esse olhar (também aqui as palavras são poucas mas nunca seriam demais) que tantas vezes tentei capturar para mim, guardá-lo bem no fundo do meu ser, num daqueles locais onde, mesmo com chave, ninguém pode entrar...
Isto é o que representas para mim...não sei se é muito ou pouco, sei que é muito mais do que eu gostaria: porque não sei o que sentes por mim e, sobretudo, porque sei que as mulheres como tudo são as mais difíceis de esquecer, são sempre necessária muitas mulheres para se esquecer uma mulher inteligente, já o disse um qualquer génio.
Na verdade, gostaria que gostasses assim de mim...se não for nesta vida espero por outra, temo muito que ainda assim fico a ganhar.

Carta Anónima (Revista Para Português Moderno)

Nenhum comentário:

Postar um comentário